.

.

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Maioria dos trabalhadores já sofreu assédio no trabalho

Fonte: Estadão
O assédio moral e sexual está mais presente nas empresas brasileiras do que se imagina. Pesquisa realizada pelo site de carreiras Vagas.com mostra que 52% dos entrevistados já sofreram algum tipo de assédio no ambiente de trabalho. A pesquisa foi respondida por quase 5 mil cadastrados no portal - sendo 54,4% mulheres e 45,6% homens, de todas as regiões do País - e traz alguns dados alarmantes.

Do total de entrevistados, 47,3% declararam já ter sofrido algum tipo de assédio moral, que se caracteriza por piadas, agressões verbais ou gritos constantes. As mulheres são ligeiramente mais afetadas do que os homens, respondendo por 51,9% dos relatos.

Os casos de assédio sexual - como cantadas, propostas indecorosas ou olhares abusivos - são menos frequentes, sendo relatados por 9,7% dos entrevistados. Novamente, as mulheres são as principais vítimas. Mas, dessa vez, com ampla margem: 79,9%, ante 20,1% de homens.  

(...) Um índice em particular trouxe preocupação: o estudo revela que 51,3% dos casos foram protagonizados pelo chefe direto do ofendido, 32,6% por superior hierárquico, mas não pelo chefe direto, e 11,5% por funcionários do mesmo nível. Somente 4,6% dos episódios foram ocasionados por funcionário de nível hierárquico inferior.

(...) O problema mais grave nos casos de assédio moral e sexual é que a maioria das vítimas fica calada: 87,5% não denunciam a agressão. Segundo o levantamento, isso acontece pelo medo de perder o emprego (39,4%), de represálias (31,6%), vergonha (11%), receio de a culpa recair sobre o denunciante (8,2%) ou sentimento de culpa (3,9%).

(...) Esse silêncio gera consequências bastante negativas. Dos entrevistados que sofreram algum tipo de assédio, 39,6% disseram que o episódio impossibilitou ou causou dificuldades na vida profissional. Ainda de acordo com o estudo, 20,9% foram demitidos e 22,8% pediram demissão após as ocorrências.

Leia a íntegra...

Sobre o plano de saúde do empregado

Fonte: Conselho Nacional de Justiça - CNJ

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Câmara estende reajuste do salário mínimo a todos os aposentados

Fonte: Folha de S. Paulo
Em um momento de dificuldades para reequilibrar as contas públicas, o governo Dilma sofreu uma nova derrota na Câmara nesta quarta. Os deputados aprovaram por 206 votos contra 179 a extensão a todos os aposentados e pensionistas da regra de reajuste do salário mínimo - que garante a inflação dos 12 meses anteriores (INPC), mais o crescimento da economia de dois anos antes. 

Hoje, são corrigidos só pela variação da inflação os benefícios acima do piso -cerca de 10 milhões dos pouco mais de 28 milhões de benefícios previdenciários.

Segundo o governo, se esses 10 milhões já fossem afetados pela mudança desde janeiro deste ano, os gastos subiriam R$ 9,2 bilhões. Em 2016, no entanto, o impacto seria ínfimo se descontada a inflação. O salário mínimo (hoje de R$ 788) será reajustado pelo INPC de 2015, mais o PIB de 2014, de 0,1%. Em 2017, não haverá aumento real, porque o país fechará 2015 com recessão. A alta pode ser relevante em 2018 (último ano do mandato da petista) e em 2019, se houver retomada da atividade a partir de 2016.

ESTRATÉGIA

Viva sempre com alegria

"Tenha sempre o rosto sorridente, procurando atender aqueles que o procuram, com satisfação.

Volte-se sempre para a luz, levando a todos o seu sorriso amigo, sorriso nascido do coração, a fim de que possa ser contagioso. Distribua nos lugares onde permanece ou por onde simplesmente passa, a semente do bom humor.

Procure ser útil; existem inúmeras ocasiões, durante o da, de prestar o seu auxílio; um simples olhar de simpatia, uma simples palavra de consolo ou de estímulo fazem erguer uma vontade desfalecida. Não importa que a ação pratica lhe pareça insignificante; por menor que seja a semente lançada à terra, sendo de boa qualidade brotará, pois tudo que é bom não se perde.

Esteja sempre pronto a estender a mão aquele que cai, estimulando-o a se erguer e seguir novamente o caminho. Encoraje os que desanimam e que se deixam vencer sem esperança e sem fé."

Distribua, em todas as horas do dia, gestos delicados, palavras amáveis, sorrisos carinhosos, boas ações. Essas atitudes de aparência simples realizam, muitas vezes, verdadeiros milagres.

O bom humor prolonga a vida e ajuda a resolver todas as dificuldades.

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Sr., Dr. ou Você. Qual o tratamento adequado?

No mundo profissional devemos ter cuidado com a forma como tratamos nossos clientes, superiores e colegas. O jeito brasileiro tende a levar para o tratamento informal, mas em todo caso, é sempre bom tomar cuidado. Veja abaixo quatro dicas para saber qual o tratamento adequado:

1. Uma boa ideia é perguntar para a pessoa como ela gostaria e poderia ser chamada, especialmente quando estiver falando ao telefone.

2. Use você para pessoas que você tenha certa intimidade.

3. Chame por Sr. ou Sra. a pessoa que esteja em cargo mais elevado na empresa. Também use Sr. ou Sra. para falar com pessoas que você não conhece.

4. É comum chamar por Dr. ou Dra. um profissional de área médica ou jurídica. Na realidade esse tratamento deveria ser dado apenas a profissionais que tenham defendido uma tese de doutorado.

Precisa-se de voluntários!

Fonte: Prefeitura Jundiaí Facebook

Doenças prevenidas por vacinas

Fonte: EBC

O Brasil é referência mundial em vacinação e o Sistema Único de Saúde (SUS) garante à população brasileira acesso gratuito a todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Ainda assim, muitas pessoas deixam de comparecer aos postos de saúde para atualizar a carteira de vacinação, e também de levar os filhos no tempo correto de aplicação das vacinas.

Os adultos devem ficar atentos à atualização da caderneta em relação a quatro tipos diferentes de vacinas contra a hepatite B, febre amarela, difteria, tétano, sarampo, rubéola e caxumba. Para as gestantes, existem três vacinas disponíveis no Calendário Nacional de Vacinação: hepatite B, dupla adulto e dTpa, que protege, além da hepatite, contra difteria, tétano e coqueluche.

Conheça algumas doenças previsíveis por vacina:

• Poliomelite: é doença contagiosa, provocada por vírus e caracterizada por paralisia súbita geralmente nas pernas. A transmissão ocorre pelo contato direto com pessoas ou contato com fezes de pessoas contaminadas, ou ainda contato com água e alimentos contaminados.

terça-feira, 23 de junho de 2015

Jogos Regionais

Fonte: Prefeitura de Jundiaí Facebook

Sedentarismo atinge 45,9% dos brasileiros e é mais comum entre mulheres

Fonte: Agência Brasil
O sedentarismo atinge 45,9% dos brasileiros, divulgou hoje (22) o Ministério do Esporte, na pesquisa Diagnóstico Nacional do Esporte. Os números foram coletados em 2013 e dão conta de que 67 milhões de pessoas não fazem atividade física ou praticam esporte. 

O problema é mais comum entre as mulheres, grupo no qual o índice chega a 50,4%, enquanto entre os homens o percentual cai para 41,2%.

Segundo a pesquisa, 25,6% dos entrevistados praticam esportes e 28,5%, atividades físicas, como caminhada. Entre os homens, a prática de esportes supera a de atividades físicas, com 35,9% contra 22,9%. Já as mulheres praticam mais atividades (34%) do que esportes (15,6%).

O sedentarismo entre os jovens foi considerado preocupante pelo ministro George Hilton, que defendeu o aumento da prática esportiva com escolas de tempo integral. Na população de 15 e 16 anos, o sedentarismo chega a 32,7% e o índice cresce conforme a faixa etária aumenta, atingindo 40,7% na faixa etária de 25 a 34 anos e 64,4% entre 54 e 74 anos.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Nova regra para o INSS pode elevar ações na Justiça

Fonte: Diário do Litoral/Estadão Conteúdo
O novo cálculo apresentado pelo governo para definir o valor das aposentadorias pode provocar um aumento no número de processos que correm à Justiça, segundo especialista. Na avaliação da advogada previdenciária Marta Gueller, sócia do escritório Gueller, Vidutto e Portanova, a alteração nas regras pode resultar num aumento no número de processos pedindo a “desaposentação”.

Esse tipo de ação pede que os aposentados que voltaram ao mercado de trabalho possam cancelar os benefícios antigos, substituindo-os por outros de maior valor - de acordo com as novas contribuições feitas ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

O debate sobre “desaposentadoria” ainda aguarda decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Até agora, a Corte teve dois votos favoráveis e dois contrários. No fim de 2014, a Advocacia-Geral da União estimava em mais de 123 mil as ações judiciais pedindo a “desaposentação”. O impacto financeiro previsto pelo INSS para os processos que tramitam na Justiça pode chegar a R$ 70 bilhões.

O governo e nossa aposentadoria!


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...